Verão quente pode dar o maior crescimento do PIB em 17 anos

Indicadores avançados do turismo apontam para um novo ano recorde no setor. Como o crescimento da economia no primeiro trimestre já superou expectativas, um Verão com mais atividade económica pode fazer com que o país cresça mais de 2,5% este ano, o valor mais elevado desde o ano 2000. O otimismo de Marcelo e do Governo está explicado.

Depois de ser conhecida a saída de Portugal do Procedimento dos Défices Excessivos, esta semana, Passos Coelho aumentou a pressão sobre António Costa e fixou metas para o Governo atingir. O líder da oposição frisou que “o próximo passo” teria de ser um crescimento entre 2,5% e 3%. O grau de exigência é elevado –´há 17 anos que Portugal não cresce naquele intervalo em termos anuais – mas um setor específico pode dar esse alento à economia. Os indicadores avançados do turismo apontam para um novo Verão de recordes e, caso esse desempenho se confirme, aquela fasquia está ao alcance.

O crescimento de 2,8% no primeiro trimestre já ficou acima das expectativas da generalidade dos economistas e, mesmo que este ritmo não se mantenha todo o ano, um Verão com uma atividade económica mais dinâmica do que no ano passado – em que o turismo já bateu recordes – pode gerar uma taxa de crescimento rara, nas últimas décadas. “Caso o verão acabe por ser melhor do que o esperado, nomeadamente podendo observar-se um maior crescimento das exportações de serviços de turismo, poderemos ser forçados a rever novamente em alta o crescimento do PIB deste ano. Um crescimento anual acima de 2.5% não está, assim, completamente fora de questão”, admite ao Jornal Económico Rui Serra, economista chefe do Montepio.

A explicação para esta possibilidade resulta do resultado do PIB do primeiro trimestre, que superou as expectativas da equipa de economistas do banco. O forte crescimento nos primeiros meses implicou uma revisão em alta da projeção do Montepio para o crescimento anual em 2017, de 2% para 2,3%. Se o turismo no Verão ficar também acima das atuais projeções, Rui Serra antecipa que a previsão anual seja novamente alvo de uma revisão em alta.

Para já, os indicadores avançados sobre o setor do turismo geram confiança.O Governo não está tão otimista como o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa – que considerou uma “hipótese que não está afastada” haver este ano um crescimento económico em torno de 3,2% –, mas há expectativas num bom desempenho este ano, à boleia dos turistas no país.

Empresários confiantes e mais reservas de slots nos aeroportos
Segundo dados avançados pelo Turismo de Portugal, compilados no Barómetro de Conjuntura sobre o verão de 2017, a atividade turística em Portugal gerará melhores resultados neste verão, face ao verão de 2016. Esta é a opinião de 63% dos agentes de viagens que participaram no Barómetro.
Os agentes preveem um aumento da atividade em todas as regiões, exceto Alentejo, tendo subjacente um crescimento dos mercados emissores do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Holanda, Irlanda e China. Também o Brasil, a Itália, a Bélgica e a Escandinávia poderão melhorar performances neste verão.

No que a Portugal diz respeito, e particularmente à Área Metropolitana de Lisboa, o nível de confiança dos consumidores, a escolha de um destino seguro e as ações de promoção e marketing são as principais razões que justificam os bons resultados esperados para este verão. 75% dos agentes de Lisboa apostam numa “clara” subida da procura à região e atribuem à Alemanha, Espanha, França, Holanda, Brasil, Irlanda, Rússia e China os papeis de destaque no aumento da procura. Recorde-se que estes mercados geraram 52% das dormidas de estrangeiros.

O Turismo de Portugal, através deste Barómetro de Conjuntura, reuniu também as previsões dos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos para o verão deste ano e a tendência positiva repete-se. Para 77% dos responsáveis hoteleiros que participaram neste inquérito, a atividade turística em Portugal gerará melhores resultados, face ao verão de 2016.

Outro indicador avançado que indicia um Verão dinâmico nas visitas de estrangeiros são os “slots” reservados pelas companhias aéreas nos aeroportos nacionais. Segundo dados a que o Jornal Económico teve acesso, a reserva de lugares para estacionar aviões está com um crescimento de 10% este ano, com o aeroporto de Lisboa a evidenciar maior dinamismo, com um crescimento de 11%.